Polícia Militar da Bahia pode entrar em greve em 2014, ameaça Prisco

O povo baiano pode voltar viver a greve de 2012
O povo baiano pode voltar viver a greve de 2012.

O R7 publicou que o presidente da Associação dos Praças de Salvador (Aspra), Marcos Prisco, criticou duramente nesta segunda-feira (4) as condições de trabalho dos policiais militares na Bahia.

A falta de Plano de Carreira, remuneração inadequada e a escala exorbitante devido a falta de efetivo foram apontadas por Prisco como os principais problemas enfrentados pelos trabalhadores. Para ele, esse é o conjunto de fatores que impossibilitam o melhor desenvolvimento do trabalho dentro do esperado pela população.

Diante do cenário, o presidente da Aspra não descartou a possibilidade de greve da PM da Bahia em 2014, ano de Copa do Mundo e eleitoral. Prisco atribuiu a atitude à falta de diálogo do governo federal, que ainda não possui canal de comunicação aberto com a categoria.

-Todo povo do Brasil inteiro está indo para ruas cobrar seus direitos e nada mais justo que os policiais militares cobrarem seus direitos. A gente tem questões nacionais ainda. Nós queremos a desvitalização e unificação da PEC 300, que é a valorização salarial dos policiais militares do Brasil, e temos questões internas de cada estado. Esperamos que o governo sente-se à mesa e trate a segurança pública com prioridade, que negocie, por que a palavra mais da fantástica da democracia é o diálogo.

Na Bahia, a negociação com o governo do Estado parece mais adiantada, mas Prisco afirma que o panorama ainda não está favorável a categoria, pois o governador Jaques Wagner usou os policiais para se eleger e ainda não cumpriu, prestes a deixar o cargo, a promessa de valorização salarial.

-Esperamos que o que está na mesa saia do papel, por que os policiais militares da Bahia infelizmente não confiam no governador, devido a toda promessa durante o período da campanha eleitoral, como pagamento da URV e valorização salarial, que não ocorreu.

Atualmente, o policial militar na Bahia recebe salário líquido de R$ 1.800, considerado o quinto pior do Nordeste. Ainda de acordo com o presidente da Aspra, a situação enfrentada pelos trabalhadores é desestimulante, pois um soldado da PM em Sergipe ganha R$ 3.800 mensalmente.

-Nós não queremos penduricalhos. Nós queremos salário, nós queremos equiparação salarial para toda corporação.

O sindicalista afirmou que não tem como mensurar um valor fixo para quem enfrenta diariamente vários riscos para proteger a população, mas acha que um salário em torno de R$ 4,5 poderia dar mais dignidade aos trabalhadores.

Notícias Relacionadas

Comentários